Categorias
saúde

IMUNONUTRIÇÃO NO PACIENTE ONCOLÓGICO

Por Isabella Brescia

A alta incidência de desnutrição em pacientes com câncer é multifatorial, e está principalmente atribuída à localização tumoral e aos distúrbios de má absorção e ingestão, repercutindo em deficiências e desequilíbrios nutricionais que refletem em perda de peso, alteração da composição corporal e pior prognóstico. A terapia e a intervenção nutricional devem ser instituídas precocemente, desde o diagnóstico, e continuadas durante todo o tratamento, com o objetivo de manter o estado nutricional, melhorar a performance clínica ao tratamento, minimizar efeitos colaterais e favorecer tanto a qualidade de vida quanto a sobrevida em pacientes oncológicos. Estratégias nutricionais são atualizadas e utilizadas para diminuir os efeitos inflamatórios e catabólicos do câncer, sendo assim, nutrientes especializados, anti-catabólicos e supressores da inflamação são sugeridos e devem ser considerados como parte da intervenção.

A terapia nutricional denominada de imunonutrição tem como objetivo a modulação da resposta inflamatória e a melhora de função imune, almejando a diminuição de complicações no pós-operatório e no estado nutricional do paciente. A oferta da imunização é indicada independentemente do estado nutricional no período perioperatório, ou seja, entre cinco a dez dias tanto no pré quanto no pós-operatório de cirurgia de médio e grande porte, essa terapia nutricional pode ser feita por suplementação oral ou por via enteral, quando necessária. A literatura científica comprova os benefícios de uma dieta com combinação de nutrientes específicos como arginina, ácidos graxos ômega-3 e nucleotídeos.

A arginina é um aminoácido semiessencial, ou seja, é sintetizado pelo organismo e fornecido pela alimentação, porém, torna-se essencial quando o corpo entra em situação de catabolismo e hipercatabolismo.  A arginina atua sobre o sistema imune pela proliferação do linfócito T  tornando-se fundamental para o paciente cirúrgico, também por atuar como estimulante de síntese proteica, na produção de prolina para formação de colágeno e melhora da cicatrização , na liberação de óxido nítrico (ON) que regula a expressão gênica e estimula a imunidade mediada por células, regula a pressão sanguínea e perfusão tecidual, como atividade antimicrobiana e antitumoral, na desintoxicação de amônia e na liberação de hormônios e biossíntese de poliamida e creatina. No entanto, quando a arginina se esgota, as células geram superóxido ao invés de óxido nítrico, e o superóxido leva à lesão celular como resultado.

Os ácidos graxos ômega-3, derivados de óleo de peixe e de canola, têm a principal característica de atuarem como lipídios anti-inflamatórios, reduzindo as concentrações de mediadores inflamatórios, como a proteína c-reativa (PCR), citocinas pró-inflamatórias eicosanóides e quimiocinas. Além disso, são essenciais para a síntese de mediadores e reguladores da inflamação, como eicosanóides, leucotrienos, prostaglandinas e tromboxanos que têm as funções de reduzir a agregação plaquetária, diminuir o potencial pró-inflamatório e fazer a imunomodulação na resposta inflamatória.

Os nucleotídeos são os precursores dos ácidos nucleicos DNA e RNA, necessários para a síntese de proteínas celulares e fundamentais para a homeostase do sistema imunológico de indivíduos adultos, sendo o RNA responsável pelo aumento da contagem total de linfócitos (células de defesa do organismo), melhorando a resposta imunocelular e a resposta contra infecções, além de sua importância para a transferência de energia química nas células, por participar também da formação de trifosfato de adenosina (ATP).

Estudos tem demonstrado que os imunonutrientes arginina, ácidos graxos ômega-3 e nucleotídeos trouxeram benefícios para a saúde dos pacientes quando combinados em níveis terapêuticos para modular especificamente o sistema imunológico contra a alteração de vias inflamatórias e metabólicas. A imunonutrição fornecida a pacientes bem nutridos e desnutridos têm mostrado benefícios, o que sustenta a premissa de que uma combinação de imunonutrientes incluídos nas dietas de reforço imunológico podem ter um efeito farmacoterapêutico benéfico além de fornecer energia, proteínas, vitaminas e minerais para suporte nutricional.

Contudo, fica evidente que o manejo nutricional tanto em pacientes com tumores gástricos, como em demais sítios tumorais, é fundamental e um pilar necessário durante a jornada de tratamento. Estratégias e orientações nutricionais devem atender às necessidades metabólicas dos pacientes oncológicos, além de favorecer e gerenciar o estado nutricional, manejo de sintomas, da ingestão nutricional e diminuir a toxicidade. A utilização de suplementos nutricionais orais (SNO) é uma das principais formas para alcançar esses resultados e de fornecer energia e proteínas àqueles que enfrentam dificuldades para atingir suas necessidades nutricionais, bem como, em fornecer nutrientes específicos para atenuar as alterações metabólicas, catabolismo e inflamação persistente inerente ao câncer e às terapias antineoplásicas.

A prescrição de SNO deve ser recomendada a todos os pacientes com câncer em risco nutricional e/ou desnutridos e que estejam em tratamento. Em casos de terapias antineoplásicas, o SNO é indicado de forma precoce, ou seja, no início do tratamento, mesmo sem o paciente apresentar déficit na ingestão alimentar e/ou alteração da composição corporal, visto que o objetivo da intervenção é manter a adequação alimentar, estado nutricional e favorecer a resposta metabólica. Pacientes oncológicos sob alto risco nutricional (trato gastrointestinal, câncer de cabeça e pescoço e pulmão) apresentam benefício da intervenção nutricional precoce, reduzindo a prevalência de desnutrição e sintomas relacionados aos tratamentos.

Dentre as estratégias nutricionais, nutrientes especializados devem ser considerados, para diminuir os efeitos colaterais, inflamatórios e catabólicos. Alguns estudos têm demonstrado benefícios do uso da imunonutrição em pacientes submetidos ao tratamento sistêmico, devido à ação de modulação do sistema imune e por influenciar ganho de peso, massa magra, estado funcional, qualidade de vida e melhora na tolerância do tratamento.

Referência bibliográfica

FRAGA, Flávia Pereira da Silva Cipriano et al. NUTRIÇÃO E IMUNIDADE NO TRATAMENTO ONCOLÓGICO. Estudos Avançados sobre Saúde e Natureza, v. 3, 2022.

MATTOS, Cecília et al. PREPARO IMUNOLÓGICO NO TRATAMENTO ANTINEOPLÁSICO: O IMPACTO DA IMUNONUTRIÇÃO ORAL COMO ESTRATÉGIA TERAPÊUTICA EM PACIENTE COM ADENOCARCINOMA DE TRANSIÇÃO ESOFAGOGÁSTRICA. Relato de caso. BRASPEN J 2022; 37 (1): 109-14

MINUZZI, Larissa. IMUNONUTRIÇÃO PRÉ E PÓS OPERATÓRIO DE PACIENTES ONCOLÓGICOS. 2022.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.