Categorias
saúde

CROCUS SATIVUS E OS BENEFÍCIOS PARA A SAÚDE

Por Isabella Brescia

O açafrão verdadeiro é extraído dos estigmas e parte do estilete das flores de Crocus sativus, uma planta da família das Iridáceas, que começa a aparecer no início do outono, no final de setembro de cor roxa. É utilizado desde a antiguidade como especiaria, principalmente na culinária do Mediterrâneo, região de origem. É considerado como uma das mais caras especiarias do mundo uma vez que, para se obter um quilo de açafrão seco, são processadas manualmente, de 150.000 a 200.000 flores.

A análise química dos estigmas de C. sativus mostrou a presença de cerca de 150 compostos voláteis e não voláteis. Menos de 50 constituintes, no entanto, foram identificados até agora. Os três principais compostos biologicamente ativos são: Crocina, pigmento carotenóide responsável pela cor amarelo-alaranjada da especiaria; Picrocrocina, trazendo o sabor amargo do açafrão; e o Safranal, um composto volátil responsável pelo aroma e cheiro tão específico do açafrão.

A crocina é um carotenóide raro na natureza, facilmente solúvel em água. Em comparação com outros carotenóides, a crocina tem uma aplicação mais ampla como corante em alimentos e medicamentos, principalmente devido à sua alta solubilidade. A picrocrocina é o principal fator que influencia o sabor amargo do açafrão, que pode ser cristalizado por hidrólise. O safranal é responsável pelo aroma (representa 70% da fração volátil), tem pouca ou nenhuma presença em estigmas frescos, sua concentração depende das condições de secagem e conservação do açafrão.

Além da crocina e da picrocrocina, os principais compostos do açafrão são antocianinas, flavonóides (como o kaempferol), vitaminas, aminoácidos, amido, matéria mineral e gomas Também possui muitos componentes ativos não voláteis, muitos dos quais são carotenóides, incluindo zeaxantina, licopeno e vários α- e β-carotenos. Os voláteis, que têm um odor muito forte, são consistentes com mais de 34 componentes, que são principalmente terpenos, álcoois terpenos e seus ésteres.

A qualidade do açafrão depende da concentração desses três metabólitos principais, proporcionando a cor e o sabor únicos dos estigmas. Seus conteúdos dependem do ambiente e das práticas culturais. A composição química das amostras de açafrão de muitos países indica que os valores relatados dependem fortemente dos métodos usados ​​para secagem, extração e análise de estigma.

Desde os tempos antigos, as plantas têm sido usadas em todas as civilizações, em todo o mundo, como fonte de medicina tradicional. Por mais de 3.000 anos, o açafrão foi considerado uma panacéia, de acordo com os medicamentos ayurvédicos, mongóis, chineses, egípcios, gregos e árabes. Algumas propriedades terapêuticas atribuídas ao açafrão são:

Antidepressivo

O uso do açafrão como antidepressivo tem uma longa tradição, desde a antiguidade até os tempos modernos. A depressão é uma das cinco doenças mais prevalentes em todo o mundo e afeta cerca de 11,6% da população mundial. Semelhante aos antidepressivos alopáticos o açafrão pode exercer seu efeito antidepressivo modulando o nível de certas substâncias químicas no cérebro, incluindo a serotonina. A serotonina, ou 5-hidroxitriptamina, é um neurotransmissor que eleva o humor sintetizado a partir do triptofano. Embora não apareça como uma erva medicinal usada tradicionalmente, as pétalas de açafrão são significativamente mais baratas do que os estigmas, levando os pesquisadores a examinar seu potencial no tratamento da depressão. Assim, um estudo comparando a eficácia de pétalas e estigmas sugere que eles são igualmente eficazes no tratamento de depressão leve a moderada.

Tratamento da disfunção sexual

O açafrão, assim como outras especiarias, sempre teve a reputação de afrodisíaco em diferentes civilizações egípcias, gregas, romanas e outras. Tradicionalmente, muçulmanos, fenícios e chineses usam açafrão como estimulante sexual. Foram avaliadas as atividades afrodisíacas do extrato aquoso de estigmas de C. sativus e seus constituintes, safranal e crocina. Parece que o açafrão pode, sem risco, combater efetivamente certos distúrbios sexuais induzidos pela fluoxetina em mulheres, como excitação, lubrificação ou dor. O açafrão mostrou um efeito positivo na função sexual com um aumento no número e duração das ereções em pacientes com disfunção erétil – mesmo após o tratamento por apenas 10 dias.

Antioxidante

Os carotenóides, crocina e crocetina, desempenham um papel importante na saúde, agindo como antioxidantes naturais. Eles protegem células e tecidos dos efeitos prejudiciais dos radicais livres e espécies reativas de oxigênio (ROS). A crocina é o ingrediente ativo mais estudado no que diz respeito às propriedades antioxidantes do açafrão. No entanto, não age sozinho, mas graças ao trabalho em sinergia com outros componentes como safranal, dimetilcrocetina e flavonóides. Outros estudos centraram-se nos efeitos negativos do stress oxidativo no nosso cérebro, uma vez que é o órgão mais exposto à oxidação, devido ao elevado teor de fosfolípides das membranas neuronais e à ligação existente com o desenvolvimento de patologias neurodegenerativas como a doença de Alzheimer, cujo tratamento com o açafrão pode prevenir a agregação e deposição do peptídeo β amilóide no cérebro humano e pode, portanto, ser útil na doença de Alzheimer.

Anticarcinogênico

O câncer é a principal causa de morte no mundo. Evidências epidemiológicas indicam que existe uma correlação entre uma dieta rica em antioxidantes e uma menor incidência de morbidade e mortalidade. Entre os remédios naturais, o açafrão e seus ingredientes (especialmente seus carotenóides) têm atividades antitumorais e anticancerígenas, mas não exercem nenhum efeito citotóxico nas células saudáveis. Uma grande variedade de substâncias naturais foi identificada como tendo a capacidade de induzir apoptose em várias células tumorais. Entre as muitas propriedades biológicas relatadas com açafrão, esses anti-carcinogênicos são de grande interesse e são extensivamente estudados por experimentos in vitro e in vivo. O extrato de açafrão de ocorrência natural – em combinação com dois compostos sintéticos – selenito de sódio ou arsenito de sódio, pode ter um papel importante na prevenção dos danos provocados pela quimioterapia do câncer. O pré-tratamento com açafrão por cinco dias consecutivos antes da administração de drogas antitumorais, incluindo cisplatina, inibiu significativamente o dano ao DNA celular induzido por drogas antitumorais.

Antiespasmódico e digestivo

Foram atribuídas ao açafrão em relação ao sistema gastrointestinal e genital, em particular, as de estimular o estômago, reduzir o apetite, tratar hemorróidas, tratar prolapso do ânus, limitar fermentações intestinais, ajudar no tratamento da amenorreia ou estimular a menstruação – e não mencionar seu poder abortivo. Safranal normalizou o volume gástrico e o pH, reduziu a superfície da úlcera gástrica e produziu proteção gástrica. 

Anti-inflamatório e analgésico

Há um grande interesse em compostos naturais, como suplementos alimentares e remédios de ervas usados ​​há séculos para reduzir a dor e a inflamação. Extratos e tinturas de açafrão têm sido usados ​​para tratar febre, feridas, dor lombar, abscessos e gengivite, bem como dor relacionada à erupção dos primeiros dentes em bebês. Extratos aquosos e alcoólicos de estigmas e pétalas de açafrão têm atividade antinociceptiva (que anula ou reduz a percepção da dor) e anti-inflamatória para dor aguda e crônica.

Efeito antiobesidade e sobre os níveis de colesterol

Beliscar é um dos hábitos alimentares de difícil controle, predispondo ao ganho de peso e, consequentemente, à obesidade e consequentes complicações metabólicas (dislipidemia, diabetes não insulino-dependente, distúrbios circulatórios, hipertensão, doença renal crônica). Acomete principalmente a população feminina e está frequentemente associada ao estresse. Devido à presença de crocetina, o açafrão ajuda indiretamente a diminuir os níveis de colesterol no sangue e, portanto, a gravidade da aterosclerose, reduzindo o risco de ataque cardíaco. O efeito hipolipidêmico da crocina é atribuído à inibição da lipase pancreática, limitando assim a absorção de gorduras e colesterol.  Estudos anteriores concluíram que o açafrão mostrou efeitos antiobesidade e anorexígenos em modelos de ratos obesos. Isto graças ao seu efeito na redução da ingestão calórica, bloqueando a digestão das gorduras alimentares através da inibição da lipase pancreática; a sensação de saciedade devido ao aumento do nível de neurotransmissores sem esquecer o seu papel na melhoria do metabolismo da glicose e dos lipideos. Além disso, a crocina mostrou uma diminuição significativa na taxa de ganho de peso corporal e deposição total de gordura.

Efeito sobre a resistência à glicose no sangue e à insulina

O uso de crocetina em altas doses (40 mg/kg) neutraliza o desenvolvimento de resistência à insulina, evitando hiperinsulinemia compensatória; de fato, limita a dislipidemia mantendo os valores de ácidos graxos livres, triglicerídeos e LDL-c (Low Density Lipoprotein) dentro das normas e evita a hipertensão induzida por uma dieta suplementada com frutose.

Efeitos nos olhos

O açafrão tem sido usado tradicionalmente por diferentes nações para várias doenças oculares, como doenças da córnea, olhos doloridos, catarata e infecção ocular purulenta. As investigações atuais mostram que o extrato de açafrão pode reduzir doenças oculares como catarata, degeneração da retina, morte celular fotorreceptora mediada por luz, e melhora da circulação sanguínea e função da retina.

A ingestão de menos de 1,5 g de açafrão não é tóxica para humanos, é considerada tóxica quando ingerida em doses superiores a 5 g e pode ser fatal se for tomada em cerca de 20 g/dia. Toxicidade leve com açafrão causa tontura, náusea, vômito e diarreia, enquanto toxicidade mais grave pode causar dormência, formigamento nas mãos e pés, pele e olhos amarelados devido à precipitação de pigmentos amarelos na pele e na conjuntiva e sangramento espontâneo.

Referência Bibliográfica

MZABRI, Ibtissam; ADDI, Mohamed; BERRICHI, Abdelbasset. Usos tradicionais e modernos do açafrão (Crocus sativus). Cosméticos , v. 6, n. 4, pág. 63, 2019.

SRIVASTAVA, R. et al. Crocus sativus L.: uma revisão abrangente. Revisões de farmacognosia , v. 4, n. 8, pág. 200, 2010.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.